Essas tais competências…

Por Orivaldo Andreazza Peres<

Atualmente a realidade no mundo dos negócios é que o diferencial entre as organizações passou a ser o Conhecimento e são as pessoas que detêm o Conhecimento.

As pessoas expressam seu conhecimento através da habilidade, da atitude, enfim de suas competências.

O que fará as organizações serem competitivas e lucrativas é nada mais nada menos do que a Gestão por Competências. Ou será Gestão de Competências?

Afinal, qual é a diferença?

  • Gestão por Competências implica em gerir a empresa separando as funções segundo as competências necessárias para o seu exercício.
  • Gestão de Competências, implica em como as organizações gerem as competências necessárias ao desenvolvimento de seu negócio.
  • O que é Competência?

    Competência, do Lat. Competentia, significa: aptidão; capacidade; faculdade legal de um funcionário ou tribunal para apreciar ou julgar certos pleitos e questões.

    A palavra Competência foi primeiramente utilizada na idade média para definir aqueles que nos tribunais, tinham o conhecimento para apreciar e julgar determinadas questões.

    Ao longo do tempo passou a qualificar a pessoa que tem condições de realizar determinado trabalho.

    Desde Taylor, ser competente se tornou um diferencial no mercado de trabalho. Naquela época, competência estava mais relacionada à habilidade técnica – saber fazer algo bem feito.

    Com a evolução da administração, competência passou a ser não mais só o saber fazer, mas saber porque fazer e mais, ter vontade de fazer e principalmente, fazer.

    Evolução

    Resumindo-se, Competência tem 3 dimensões: Conhecimento, Habilidade e Atitude.

    CHA

    A Competência também divide-se em dois tipos:

    Competência Organizacional e Competência Pessoal.

    Competência Organizacional está relacionada ao que de fato a organização possui.

    Depende dos níveis de competência das pessoas, da gestão dos processos e da tecnologia aplicada.

    Competência Pessoal está relacionada aos conhecimentos e habilidades que o profissional possui, agregados ao nível de prontidão, a atitude.

    A junção dessas duas vertentes é o que de fato faz a diferença. De nada adianta a organização ter os melhores talentos se estes não estiverem dispostos a aplicarem o que têm de melhor e, pior ainda, se os seus valores não estiverem alinhados com os valores da organização.

    É bom lembrar que diariamente as “Competências Pessoais” vão para casa dormir e podem não voltar no dia seguinte.

    Por isso, gerir competências passou a ser tão importante para as organizações.

    Como identificar as Competências necessárias à Organização?

    A organização precisa definir as competências necessárias a partir da definição do seu plano estratégico e dos fatores críticos de sucesso para que os objetivos estratégicos sejam alcançados.

    Inicialmente a organização deverá identificar – e comunicar claramente – seus Valores, Missão e Visão.

    Sem saber qual é o jogo que vai jogar e quais regras vai seguir, a organização não tem como identificar quais são as competências que possui e quais precisam ser desenvolvidas e desdobradas por todos os níveis da organização.

    As principais competências atualmente mais desejadas pelas organizações são: Busca de Superação; Comunicação; Desenvolvimento de Pessoas; Empowerment; Flexibilidade a Mudanças; Liderança de Equipe; Negociação; Orientação para Clientes; Orientação para Resultados; Posicionamento Estratégico e Trabalho em Equipe.

    A identificação das competências necessárias para o sucesso da organização, traz atrelada uma imperiosa decisão: mudar ou não mudar!

    Mas este assunto abordarei em outros artigos!